Setembro Amarelo – conscientização e prevenção do suicídio- Como o EMDR pode ajudar?

2 de setembro de 2022

No mês de conscientização e prevenção ao Suicídio, o Espaço da Mente se junta a essa ação mundial de grande importância. 

É um momento para se concentrar em apoiar aqueles que lutam para dar sentido à vida. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), no Brasil há 32 casos por dia de suicídios. Os efeitos devastadores desse contexto tornam difícil falar sobre ele, mas as taxas de suicídio estão aumentando.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças americano (CDC) relata que o suicídio é a 10ª principal causa de morte nos Estados Unidos e que as taxas de suicídio aumentaram 33% entre 1999-2019. Após a início da pandemia, a ideação suicida e os casos de suicídio aumentaram por todo mundo, na população em geral, em crianças e jovens, bem como em populações em idade universitária.

Alguns dos principais fatores de risco a serem considerados são: histórico familiar de violência e trauma, aceitação social de identidade, classe ou etnia, faixas etárias de 15 a 24 e mais de 60 anos, bem como a falta de sistemas de apoio social. Além disso, há uma conexão entre suicídio, vício e uso de substâncias.

Reduzir o estigma em torno do suicídio pode ajudar. O site Suicide Prevention Lifeline  descreve várias maneiras de ajudar aqueles que suspeitamos que possam estar tendo pensamentos suicidas. Ao contrário da crença popular, perguntar a alguém de forma carinhosa se está tendo pensamentos suicidas não aumenta o risco de ideação suicida. Pesquisas mostram que esse ato de conexão pode realmente reduzir o risco de suicídio e ideação suicida. Ouvir sem julgamento pode ajudar. É importante também verificar se uma pessoa com ideação suicida não tem acesso a meios letais como armas ou pílulas. Manter as pessoas em risco de suicídio conectadas a uma comunidade de suporte e acompanhá-las periodicamente pode ser muito eficaz  na prevenção do suicídio.

A Terapia EMDR é conhecida por reduzir os sintomas de TEPT , como ansiedade e depressão. A depressão é um dos fatores-chave na ideação suicida. Portanto, não é difícil concluir que a Terapia EMDR pode diminuir a ideação suicida. De fato, pesquisas recentes de Fereidouni et al. (2019), assim como Proudlock e Peris (2020) indicaram que o uso da Terapia EMDR reduziu a ideação suicida. Proudlock e Peris observaram que os participantes da pesquisa que passaram pela Terapia EMDR “se sentiram mais capazes de gerenciar seus sintomas de saúde mental e exibiram maior autoeficácia após o tratamento”. A pesquisa contínua para a Terapia EMDR nesta área é incentivada.

Vamos conversar sobre o tema com foco na vinculação da depressão e suicídio com a psiquiatra Maria Cecília Freitas e o Treinador André Monteiro.

A gravação live está  no instagram .

Fonte de dados traduzidos e retirados de: https://www.emdria.org/public-resources/emdr-therapy-and-suicide/

Trecho da entrevista com Manish Mishra, MBBS, the Chief Medical Officer of the Texas Healthcare and Diagnostic Center. (2/9/2022)

Psychiatric Times: Pessoas com transtorno por uso de álcool têm 120 vezes mais chances de cometer suicídio do que aquelas que não são dependentes de álcool (9https://www.alcoholrehabguide.org/resources/dual-diagnosis/alcohol-and-suicide/)  A psicoeducação sobre uso de substâncias e suicídio para pacientes e suas famílias parece ser mais importante do que nunca. Em sua experiência, quais são as melhores estratégias para os médicos abordarem esse assunto?

O abuso de álcool ou drogas é um dos fatores de risco mais comuns para o comportamento suicida. Embora esta seja uma forma de intervenção difícil e exija envolvimento e comprometimento significativo do paciente e dos familiares, a psicoeducação tem se mostrado eficaz no tratamento de transtornos de saúde mental e no gerenciamento do prognóstico a longo prazo. Diferentes estratégias são usadas pelos médicos para avaliar e gerenciar os sintomas e evitar a remissão. Algumas das estratégias comumente utilizadas são as seguintes:

1) Intervenção breve para reduzir o comportamento suicida

Esses tipos de intervenções são usados ​​principalmente com pacientes pós-alta para acompanhamento. Pode incluir envio de cartões postais, cartas ou até mesmo um telefonema. Ajuda a reduzir a sensação de isolamento do paciente, contribuindo para diminuir futuros comportamentos suicidas.

2) Técnicas de aprimoramento motivacional

Técnicas breves de aprimoramento motivacional para aumentar a disposição dos pacientes em buscar o tratamento e superar obstáculos também podem ser uma abordagem de engajamento eficaz. A entrevista motivacional está focada em ajudar as pessoas a lidar com sua ambivalência sobre a mudança de comportamento e explora as preocupações e crenças dos pacientes sobre a mudança.

O mais importante para a entrevista motivacional é envolver os pacientes em uma discussão que não seja coercitiva e não ameaçadora, e criar uma atmosfera que seja empática, sem julgamentos e que apoie as preocupações dos pacientes. Perguntas abertas, afirmações, escuta reflexiva e resumo são os pilares dessa abordagem.

3) Intervenção precoce

A intervenção precoce após uma tentativa de suicídio é vital porque o período de 3 meses após uma tentativa inicial é quando um indivíduo está em maior risco de comportamento suicida adicional. No entanto, descobriu-se que aqueles que tentam o suicídio são muito difíceis de se envolver em tratamento. Essas intervenções podem incluir tratamento ambulatorial ou hospitalar, dependendo da gravidade. Cartões postais e telefonemas podem ser usados ​​para a abordagem ambulatorial, enquanto a entrevista motivacional tem sido mais eficaz com o tratamento hospitalar.

4) Alternativas

Essa estratégia prevê a participação em atividades que excluem o uso de álcool, tabaco e outras drogas. Atividades construtivas e saudáveis ​​compensam a atração ou atendem às necessidades geralmente preenchidas pelo uso de álcool, tabaco e outras drogas, o que, em última análise, reduz as tendências suicidas.

Artigo original: https://www.psychiatrictimes.com/view/the-role-of-alcohol-and-substances-in-suicide